Apresentação

Apresentação

quinta-feira, 14 de março de 2013

Acolhendo a Jesus recebemos a vida do Pai

5ªf. da Quarta Semana da Quaresma

João 5,31-47

O Pai que me enviou dá testemunho a meu favor[1]

No evangelho de ontem, que nos apresentou a primeira parte do discurso de Jesus sobre “a obra do Filho”, Jesus nos doou a Revelação de si mesmo, identificando sua obra como a obra do próprio Deus: “O Filho faz apenas o que vê o Pai fazer. O que o Pai faz, o filho o faz também” (5,19).

Nesta primeira parte de seu ensinamento (5,19-30), Jesus vinha falando quase sempre em terceira pessoa. Agora, porém, na segunda parte, a qual lemos hoje (5,31-47), notamos como o “Eu” de Jesus aparece em todo o texto (19 vezes). E diante do “Eu” de Jesus está quase sempre o “Vós”, referido aos ouvintes que  se opõem a Ele (11 vezes). Esta disposição dá à nossa passagem um caráter de enfrentamento aberto. Assim segue dirigindo nosso olhar para a Paixão que se aproxima.

Neste contexto, Jesus apresenta alguns testemunhos que fundamentam a validade do seu “testemunho” (5,31). De maneira que a rejeição de Jesus resulta grave, já que é a rejeição do próprio Deus que seus inimigos professam como seu Deus.

1. O autêntico testemunho em  favor de Jesus é o Pai

Antes de tudo, Jesus quer deixar claro, que seu testemunho sim é válido, porque não pode estar separado do “Outro”, que é o Pai: “Outro é o que dá testemunho de mim” (5,32ª).

Sendo Jesus o “enviado”, Ele não age nunca por sua própria conta (5,19). Está sempre determinado pela vontade do Pai (5,30). Portanto, é incontestável que o testemunho de Jesus seja, ao mesmo tempo, testemunho do Pai: trata-se de um único testemunho, que contém a voz unânime das duas pessoas. Isto é, precisamente, o que a lei judaica requeria para dar validade a um testemunho (ver 8,18; 10,38).

2. Outros testemunhos

Jesus cita outros testemunhos porque o testemunho do Pai pode expressar-se de diferentes maneiras.

(1) João Batista

O primeiro é João Batista, que sempre apresentou a Jesus como: a luz, o Messias, o Profeta, o mais forte, o que existia antes dele (ver 1,78.15.19.32.34).

Jesus faz notar que João não era a luz, senão “a lâmpada”. Não obstante, os judeus deixaram-se atrair pela lâmpada,  “por um instante” (5,35), mais do que acolher a Jesus, que é a luz (5,35).

(2) As “obras” encomendadas pelo Pai

Jesus, porém, tem um testemunho maior que o de João, que são as obras que realiza em nome do Pai:As obras que eu faço dão testemunho de mim, mostrando que o Pai me enviou (5,36).

O evangelista fixa de maneira especial a sua atenção nestas obras, que tem caráter de “sinal revelador” (ver 8,18; 10,38; 14,10-11). As obras de Jesus testificam que Ele é o enviado do Pai (5,36).

Jesus, o enviado do Pai, é o testemunho por excelência do seu amor. Negar-se a crer em Jesus  é negar-se ao amor de Deus: “não tendes em vós o amor de Deus” (5,42).

(3) Las Sagradas Escrituras

As Escrituras são o último testemunho presenteado por Jesus para que creiamos n’Ele: “...vós examinais as Escrituras, pensando que nelas possuís a vida eterna. No entanto, as Escrituras dão testemunho de mim, mas não quereis vir a mim para ter a vida eterna (5,39-40).

Sem o conhecimento de Deus, que somente Jesus pode nos dar, o estudo da Escritura se torna estéril. E vice-versa, o conhecimento das Escrituras leva ao reconhecimento de Jesus: “Se acreditásseis em Moisés, também acreditaríeis em mim, pois foi a respeito de mim que ele escreveu” (5,46).

Todos os testemunhos apresentados por Jesus fazem referência à obra salvadora do Pai. Seus interlocutores, porém, são incapazes de acolhê-los  “porque nunca ouviram sua voz, nem viram sua face” (5,37). Negando-se  a aceitar a Jesus, tampouco acolhem sua Palavra (5,39-40). 

Pelo contrário, temos a vida do Pai quando acolhemos o mistério de Jesus e permitimos prolongar em nós sua comunhão com Ele,  sua obediência filial e sua entrega aos irmãos.
Cultivemos a semente da Palavra no profundo do coração

1. A esta altura da Quaresma, como estamos vivendo a comunhão com Jesus e com o Pai?

2. Em que se baseia Jesus para afirmar que seu testemunho sim, é válido?

3. Em que se nota que na minha vida atua Jesus? Deixo-lhe espaço suficiente?


[1]Autor P. Fidel Oñoro, cjm, (http://www.iglesia.cl/especiales/cuaresma2013/orar2.html), tradução livre de Frei João Carlos Karling,ofm, para o site da Paróquia Rede de Comunidades São José, Gravataí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmãos em Cristo, Paz e Bem.
Seu comentário é muito importante para nós...
Muito obrigado pela sua contribuição.
Que Deus lhe abençoe hoje e sempre!
Paróquia Rede de Comunidades São José