Apresentação

Apresentação

terça-feira, 12 de março de 2013

Caminho até a Páscoa (II): Jesus e as águas terapêuticas de Betesda

3af. Quarta semana da Quaresma

João 5,1-3ª.5-16

“Queres recobrar a saúde?”

Ao começar a ler o capítulo quinto do evangelho de João somos introduzidos “nas obras de Jesus”. Esta geração polêmica e este será o começo da paixão de Jesus no evangelho de João.

Hoje lemos o segundo sinal que nos introduz no mistério da paixão: a cura de um enfermo na piscina de Betesda. Vejamos no texto: (1) Quem é o enfermo?, (2) O que Jesus faz por ele? y (3) Que conseqüências tem a cura?

(1)  O enfermo

Este homem tem três características: (a) é um paralítico, (b) está 38 anos enfermo y (c) não pode valer-se de se mesmo e não tem ninguém que o ajude.

Na realidade sua situação reflete um duplo drama interno: tem o remédio a poucos passos dele, porém não pode dar um passo para curar-se. Esta é a situação daquele que está mal, que sabe como sair de sua situação, porém que vê como todos os dias vai-se distanciando da solução, já que não tem forças internas para dar o passo.

(2)  Jesus

Notemos que (a) Jesus busca ao enfermo, fazendo do marginalizado um privilegiado. Em seguida (b) lhe faz uma pergunta permitindo que reflita sua imagem de Deus: “Queres recobrar a saúde?” (v.6).  Na resposta do paralítico nota-se que o que ele mais está esperando de Jesus é que o carregue e o meta em seguida na água. Jesus, porém não faz isso. Finalmente, Jesus (c) cura ao paralítico, não porém com a água da piscina, mas com o poder de sua Palavra (v.8).

(3) Conseqüencias da cura

existem duas conseqüências: (1) positiva: a cura em si, e (2) esta é a ocasião para que se dê o primeiro enfrentamento de Jesus com os Judeus: seus inimigos o vêem como alguém que vai na contramão das coisas de Deus. A prova é que realizou uma obra no dia de sábado. Jesus é visto como um infrator da Lei. Seus inimigos não vêem a obra de Deus. O apego a seu próprio conceito do preceito do sábado os torna míopes para ver a Deus na obra de Jesus.

A frase de Jesus no v.14 quer dizer que Ele lhe deu a saúde, mas que isto não é o bem maior. O mais importante é evitar o pecado, buscando a comunhão com Deus. Também fica claro que a enfermidade não é o pior mal, mas o estar separado de Deus, já que a separação de Deus nos exclui da verdadeira vida. O bem maior que Deus nos oferece na pessoa de Jesus é o dom da vida, uma vida que emerge da relação profunda e sustentada com Deus.

Que a contemplação do rosto de Jesus desfigurado pelos homens na paixão, suscite em nós a busca de seu verdadeiro rosto em nossas vidas.

Para cultivar a semente da Palavra na vida:

1. Como respondes à pergunta que se encontra no centro da passagem de hoje: “quem é este homem”?

2. Qual é o sentido das obras de Jesus?

3. Quero curar-me? Do quê?


[1]Autor P. Fidel Oñoro, cjm, (http://www.iglesia.cl/especiales/cuaresma2013/orar2.html), tradução livre de Frei João Carlos Karling,ofm, para o site da Paróquia Rede de Comunidades São José, Gravataí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmãos em Cristo, Paz e Bem.
Seu comentário é muito importante para nós...
Muito obrigado pela sua contribuição.
Que Deus lhe abençoe hoje e sempre!
Paróquia Rede de Comunidades São José