Apresentação

Apresentação

quarta-feira, 30 de julho de 2014

ELO COMUNITÁRIO - Agosto 2014

É com imensa alegria que publicamos a EDIÇÃO 200 do Elo Comunitário, referente ao mês de agosto. Com o apoio de novos patrocinadores, a versão impressa do informativo da Rede de Comunidades será impressa totalmente em cores a partir desta edição.
Para acessar e baixar, clique aqui!

LIDERANÇAS ESTUDAM DOC 100

Na noite desta terça-feira, em torno de 30 lideranças de nossas comunidades se encontraram no Centro de Pastoral e Solidariedade para o estudo do Documento 100 da CNBB - Comunidade de comunidades: uma nova paróquia. Depois da oração inicial, Frei Paulo - pároco - expôs os dois primeiros ítens do capítulo 6. Em seguida, em grupos, foram reflitas as outras partes, seguidas de partilha. A partilha será apresentada na reunião do Conselho de Pastoral no dia 18  de setembro. Seguem fotos.



Os sinais nos mostram o quanto Deus nos ama

 
Os sinais devem nos mostrar o quanto Deus nos ama
Deus é, em primeiro lugar, “a fonte e a origem de todas as bênçãos”, assim escutamos do sacerdote como uma das opções de bênçãos no fim da Missa. É de Deus que provém a bênção. Ele, em Sua grandeza e bondade, olha para o ser humano com misericórdia e derrama sobre ele as Suas bênçãos. 

Nós somos alvos da bênção de Deus. Em nossa catequese familiar ou de Igreja, aprendemos a pedir a bênção para o pai, para a mãe, o avô, a avó e até para os padrinhos e tios.

Muitos têm o costume de pedir ao sacerdote que lhes de a bênção, e é muito comum também as pessoas pedirem para que seus objetos sejam abençoados. Os objetos litúrgicos, móveis, a própria igreja ou capela são abençoados, porque ali são realizados atos litúrgicos, com os quais vivenciamos melhor os sacramentos. Assim, temos um encontro com o Senhor. Os objetos, as imagens, as medalhas são sinais que nos ajudam na caminhada com Deus. Ao pedirmos a bênção sobre esse ou aquele item, não devemos fazê-lo de maneira supersticiosa, como se fosse um amuleto.

Tal medalha, imagem ou terço devem nos ajudar na compreensão do divino, devem nos levar a Deus, ser um sinal que nos incentive na busca por Ele. Os sinais devem nos mostrar o quanto o Senhor nos ama. Por que precisamos de sinais, de imagens e templos? Por que é importante que uma imagem seja bonita, que a arquitetura de uma igreja seja bem harmônica? Exatamente para nos remeter ao Senhor de nossa vida. Quantas pessoas mudaram de vida ou se lembraram de Jesus quando olharam para a  cruz de uma igreja? Quantas, com seus sinais, medalhas, crucifixos e terços desistiram de fazer o mal, de tirar a própria vida? Quantos resistiram e tiraram forças de onde não tinham por causa de um sinal que carregavam? 

Repito, não é o sinal pelo sinal como um amuleto, mas porque aquela medalha, aquele terço nos remeteu ao Senhor ou a algum(a) santo(a); e, por graça de Deus, porque é Ele quem faz, fomos salvos, desistimos de fazer o mal, propusemo-nos a fazer o bem. 

Os objetos de piedade abençoados se tornam um sacramental, um sinal de Deus. Com esses objetos, clamamos a proteção divina; com eles, dizemos que seguimos o Cristo, que pertencemos a Ele.

No ritual de bênçãos, dentre várias delas, está prevista a de objetos para a prática devocional. Após o sinal da cruz, há uma introdução que diz: “… no momento de invocarmos sobre esses símbolos e imagens a bênção de nosso Senhor, deve-se atender ao seguinte: que cada um de nós ofereça o testemunho de vida cristã tão autêntico quanto o que exige de nós o fato de ostentarmos o uso desses objetos”. Ou seja, peço a bênção, uso tal sinal bento e dou testemunho de uma vida cristã. 

Por fim, portar um sinal, uma medalha, um crucifixo, usar uma veste litúrgica não nos faz santos(as), mas tais sinais nos ajudam ou exigem de nós uma postura santa, de gente de bem. Não dá para portar um crucifixo e viver na mentira, não dá para usar a medalha de um(a) santo(a) e viver numa indisponibilidade no amor ao próximo. Peçamos a bênção do Senhor sobre nós, levemos a um sacerdote nossos objetos de piedade para que sejam abençoados e produzamos frutos de perseverança, e que os símbolos que ostentarmos não só nos protejam, mas nos lancem para o serviço amoroso àqueles que encontrarmos.

terça-feira, 29 de julho de 2014

REDE NEWS

AINDA... DA ÚLTIMA SEMANA!
Na quarta-feira, dia 23 de julho aconteceu o chá do Grupo de Convivência da comunidade Santa Rita. Momento de alegria, integração e celebração da vida.
ENTREGA DE COBERTORES
Recebemos de benfeitores 40 cobertores que foram encaminhados para pessoas atendidas pela Pastoral da Criança. Uma das comunidades onde eles foram entregue foi a comunidade São Francisco, no último sábado, durante momento da celebração da vida.
CHÁ DA VOVÓ E DO VOVÔ FOI UM SUCESSO

Numa parceria entre a Pastoral da Criança, Saúde e SANA, no último sábado dia 26 de julho, na Comunidade Santa Clara, foi realizado chá em benefício da Comunidade São João. Foram vendidos mais que 170 convites. Agradecemos também ao apoio recebido de todos, visto que todas as coisas e comidas do chá foram doadas. 

JOVENS ANIMAM VIDA DAS COMUNIDADES

No mesmo horário, os jovens da Comunidade São Miguel e da Comunidade Santa Rita, no último dia 26, assumiram e animaram as celebrações litúrgicas em suas comunidades. Foi momento criativo, alegre e participativo dos nossos grupos e a comunidade se rejuvenece com a presença deles. 

BATIZADOS NA SÃO MIGUEL
Na missa do dia 26 de julho de 2014, na Comunidade São Miguel, foram batizadas duas crianças. A comunidade se alegra com novos membros e reza na sua intenção.
ELO CHEGA A EDIÇÃO 200

O nosso Jornal Paroquial da Rede de Comunidades São José chega, com a edição do mês de agosto, em duzentas tiragens. São mais que 300 mil impressos. Frei João Osmar d'Avila, um dos fundadores marcou presença no evento realizado durante a missa da Comunidade São Miguel, no último sábado, falando do surgimento do jornal e sua vinculação com a nossa Rede de Comunidades e do nome. Ademir Schneider e Lilian Martins, casal coordenador atual, agradeceu a colaboração e destacou que a sua finalidade é divulgar as notícias positivas da vida das nossas comunidades. E partir desta edição, com a ajuda de novos benfeitores, o jornal será impresso totalmente em cores. 

CATEQUESE REALIZA ALMOÇO
Com boa participação, no último domingo, a catequese da Comunidade Santa Rita, realizou almoço em prol da comunidade. Agradecemos a colaboração de todos.
ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES NAS COMUNIDADES


REDE SE SOLIDARIZA COM FREI PAULO REIS
Recebemos, com pesar, no dia de ontem (28) a notícia do falecimento de Odilo Reis, pai de Frei Paulo Reis, que recentemente orientou o retiro das lideranças da nossa Paróquia Rede de Comunidades. A missa de corpo presente e sepultamento acontecem nesta manhã em Tiradentes do Sul - RS. A nossa solidariedade ao Frei Paulo e seus familiares.









sábado, 26 de julho de 2014

Leitura Orante - 17º Domingo do Tempo Comum - 27.07.2014

Reze a liturgia do próximo domingo (27/07) em sintonia com toda a Igreja, através da Leitura Orante.
Para acessar e baixar a Leitura Orante clique aqui!

sexta-feira, 25 de julho de 2014

TERMINANDO BEM O MÊS DE JULHO

REDE VAI PARA ROMARIA DE TRANSCAL

Com alegria recebemos hoje, dia 25, a confirmação da cedência de um ônibus (45 lugares) gratuitamente, da Empresa Transcal, para transportar nossos catequizandos e lideranças para Romaria Vocacional, dia 17 de agosto, no Centro de Gravataí. As inscrições podem ser feitas na Secretaria Paroquial. 


CHÁ DA VOVÓ E DO VOVÔ ACONTECE AMANHÃ

Amanhã, dia 26 de julho, a partir das 15h acontecerá o chá em prol da Comunidade São João. Os ingressos estão a venda na Secretaria da Paróquia, com a equipe do SANA e da PASTORAL DA CRIANÇA ao preço de R$ 8,00. Haverá ingressos para a venda na hora, porém lembramos que temos número limitado de convites.
ELO CHEGA A EDIÇÃO 200
Amanhã, dia 26, às 19h, na Comunidade São Miguel, acontecerá missa para celebrar e entregar para as comunidades a edição 200 do nosso Jornal Paroquial Elo Comunitário. Frei João Osmar D'Avila, um dos fundadores se fará presente. Convidamos à todos para prestigiarem este momento. Na mesma celebração teremos o batizado das crianças e a entrega do Cartaz com a Oração Vocacional
REZANDO PELAS VOCAÇÕES
Durante os meses de junho e julho, em todas as comunidades da nossa Paróquia Rede São José, foi motivada a Oração pelas Vocações. Foi entregue o cartaz com a Oração e em todas as missas está sendo rezada. Concluiremos neste final de semana com as Comunidades São Miguel (Sábado, 26 - 19h); Imaculada Conceição (Domingo, 27- 9h) e São Francisco (Domingo, 27- 10h)
CATEQUESE PROMOVE ALMOÇO
A catequese da Comunidade Santa Rita estará promovendo, neste domingo dia 27, gostoso almoço da catequese. Os ingressos, ao preço de R$ 15,00 estão à venda na Secretaria Paroquial, com as catequistas e a coordenação da Comunidade. VAMOS PRESTIGIAR ESTE EVENTO.
CONVOCAMOS...
Convocamos todas as lideranças da nossa Paróquia Rede de Comunidades para a próxima terça-feira, dia 29 de julhho, das 20h às 21h30min, no Centro de Pastoral, para o Estudo do Capítulo 6 do Documento 100 da CNBB. O texto já foi enviado para as lideranças e também está a disposição no site da Rede e com a Secretaria Paroquial.







quinta-feira, 24 de julho de 2014

Ser de Deus. O que eu ganho com isso?

Vale a pena ser de Deus

Hoje, vivemos a era do ‘Marketing’. Desde pequena, uma criança já sabe manusear um tablet, e por todos os lados vemos propagandas de produtos que lhe trará maior prazer. É fato que as propagandas não vendem produtos, mas convites à felicidade que será alcançada por meio deles. Com isso, vemos uma geração que, a todo momento, se questiona: “O que eu ganho com isso?”, “Quanto eu lucro ao buscar esse ou aquele meio?”. E quando se fala em religião, vemos que esta não está numa realidade tão diferente da comercial. Em muros e cartazes, até mesmo em “carros de som”, anuncia-se, pela cidade, determinada igreja que nos trará benefícios e soluções de forma cada vez mais fácil, descomprometida e acessível ao fiel… Ou poderia dizer ao cliente?


Vemos que, na Bíblia, também havia pessoas interessadas em se beneficiar de Deus. Giezi é um exemplo; ele é um dos servos do profeta Elizeu, que testemunha a cura de Naamã, chefe do exército de Israel. O profeta não aceita nenhum presente de Naamã, o que deixa seu servo contrariado. “Então, Giezi sai correndo para alcançar Naamã. Quando este vê que Giezi corre atrás dele, desce do carro, vai ao seu encontro e lhe pergunta: ‘Está tudo bem?’. Giezi responde: ‘Tudo bem. Só que meu senhor mandou dizer-lhe: Agora mesmo, acabam de chegar, da região montanhosa de Efraim, dois jovens irmãos profetas. Por favor, dê para eles trinta e cinco quilos de prata e duas roupas de festa’. Naamã respondeu: ‘Aceite setenta quilos’. Insistiu para que Giezi aceitasse. Depois, Naamã colocou setenta quilos de prata e as roupas de festa em duas sacolas, e as entregou a dois de seus servos. Estes foram na frente de Giezi levando as sacolas” (cf. II Reis 5,21-25). Giezi mente dizendo que veio a mando do profeta pedir a prata e as roupas, mas o que o comandava nessa ação era seu desejo de ser beneficiado com o milagre que Deus operara em Naamã.
 
Na contramão, temos personagens bíblicos que nos mostram o caminho de uma real busca por Deus. O próprio profeta Elizeu, na passagem já citada, nos mostra que não é o que ganhamos com o Senhor que conta, mas o próprio Deus. Naamã lhe ofereceu prata e bens, mas o profeta os recusou, pois queria mostrar àquele homem que não se pode comprar a graça do Senhor. Muitas vezes, vejo por aí mensagens e dizeres onde se exortam um Deus produtor de bênçãos e milagres. Coisas como: “Deus não deixará nada de ruim acontecer. A sua vitória está perto, Deus fará de seus sonhos realidade”. Vamos construindo um “deus” condicionado ao que buscamos, ao que queremos.

Deus quer, sim, nos fazer felizes e nos levar a uma realização. Mas precisamos desmascarar um deus que segue caprichos humanos, que é uma mentira. No fim, são palavras vazias que nos levam a uma fé imatura, e acreditamos que o Senhor existe, sim, mas como nossos planos não acontecem, pensamos que Ele está longe de nós. As promessas de Deus se cumprem sempre, mas precisamos saber se elas vêm, realmente, do Pai.

Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças” (Dt 6,5). É na intimidade com Deus que encontramos Suas promessas, e assim elas se cumprem. O que ganho seguindo Cristo? Ganho Cristo! “Porque todos fomos criados para aquilo que o Evangelho nos propõe: a amizade com Jesus e o amor fraterno.” (Papa Francisco EG. 265)

Jesus veio ao mundo para nos propor uma amizade verdadeira, sem interesses. Quando seu dia não for bom, você terá onde ir e com quem desabafar. E quando for ótimo? Ele estará junto de você, alegrando-se. ‘Os verdadeiros adoradores’ são aqueles que buscam Deus por quem Ele é, e assim recebem graças em sua vida. Mas quando vem a dificuldade, não renega o amigo, pois sabe que “se lhe formos infiéis, ele permanece fiel, pois não pode renegar a si mesmo.” (cf. II Timóteo 2, 13)

Peçamos a Deus a graça de uma verdadeira conversão, de uma verdadeira disposição interior em buscar o Senhor e experimentar o amor d’Ele por nós. E que cresça, cada vez mais, o amor em nós por Ele. Que o amemos de graça, e o maior ganho que teremos com isso é Sua amizade.

(FONTE) 

terça-feira, 22 de julho de 2014

VISITA AOS DOENTES


TEXTO DA FORMAÇÃO PARA OS MINISTROS DIA 12/07/2014
Ir. Roseli Klein IFPCC
ATITUDES QUE PODEM AJUDAR

v  Não fazer cobranças (nem sempre o doente está a fim de responder, respeite)
v  Explore outros assuntos – não foque na doença. Descubra assuntos de interesse da pessoa.
v  Saiba a hora de ir embora – fique atento aos sinais de cansaço.
v  Escute – é mais importante escutar do que falar
v  Se oferecer para fazer algo pela pessoa (“vou ao mercado quer que lhe traga algo?”)
v  Não demonstrar medo ou repugnância
v  Ter muita caridade, demonstrar amor, evitar mentiras, dialogar sobre a fé e a esperança
v  Guardar sigilo do que o doente lhe confiar
v  Rezar com ele, por ele e sua família
v  Mostrar que a comunidade está interessada em sua saúde
v  Mostrar bondade e mansidão
v  Saber compartilhar as lágrimas
v  Não fazer gritaria e barulho em torno do doente
v  Respeitar a dor, não nega-la
v  Dizer: Estou aqui, estou do teu lado
v  Precisas de alguma coisa?
v  Como foi o teu dia? Melhor que ontem?
v  O que te apetece fazer hoje?
v  Como estão a correr as coisas?

CONTRA INDICADO FALAR AOS DOENTES
Ø  Tudo vai ficar bem
Ø  Como nós estamos hoje? (infantilizar)
Ø  Não chora
Ø  Você está ótimo
Ø  Você está péssimo
Ø  Estou rezando para você melhorar (a fé pode estar abalada, fase da revolta)
Ø  Meu tio ... Tinha essa doença
Ø  Basta querer para você melhorar
Ø  Tomou o chazinho que te mandei?
Ø  Está se sentindo cansado? Eu também estou exausto
Ø  Não se preocupe com o seu trabalho
Ø  Pelo menos você pode aproveitar essas férias
Ø  Você deve ter adoecido por causa do estresse. Tente ser mais tranquilo que você vai melhorar
Ø  Agora já passou, vamos falar de outras coisas
Ø  Eu sinto muito por você
Ø  Se alguém consegue enfrentar isso, esse alguém é você
Ø  Deixe-me informado sobre os resultados (invasão)
Ø  Eu faço o que puder para ajudar
Ø  Imagina, suas preocupações são infundadas
Ø  Como é a sensação da quimioterapia? ( curiosidade)
Ø  Estou terrivelmente chateado com a sua condição – não querer confortar um doente com seu próprio sofrimento
Ø  Tenha paciência

VISITA NO HOSPITAL
      Faze-lo no quarto, não nos corredores
      Conversar em voz baixa e assuntos agradáveis
      Não ser visitador repórter
      Ser ouvinte e portador de esperança e vida
      Respeitar o silencio dentro do hospital
      Não sentar na cama do doente
      Não fumar nem levar cigarros para o doente
      Não servir alimentos

      Retirar-se do quarto quando chega o médico ou profissionais para fazer algum procedimento

segunda-feira, 21 de julho de 2014

REDE NEWS NOTÍCIAS

ENCONTRO COM OS PAIS
No sábado dia 19 de julho, na Comunidade Santa Clara - MVIII, aconteceu o encontro das catequistas Antônia, Vanderlea e o Frei Paulo com os pais dos catequizandos do primeiro e segundo ano. O encontro foi marcado por um momento de partilha da palavra e assuntos ligados a catequese e a vida da comunidade.
FORMAÇÃO DOS CATEQUISTAS
No Centro de Pastoral e Solidariedade, no sábado dia 19 de julho, aconteceu momento de formação dos catequistas da nossa paróquia. Continuamos o estudo do YOUCAT e foi muito proveitoso.

BATIZADOS
Na manhã do domingo dia 20 de julho duas comunidades acolher novos membros: a comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, onde uma criança foi batizada, e na comunidade Santa Rita onde foram batizadas 15 crianças. 
PÃO DE SANTA CLARA
Na noite deste domingo dia 20, na Comunidade Santa Clara - MVIII, aconteceu a missa preparada pela catequese e com a bênção dos pãezinhos de Santa Clara. Várias pessoas estiveram presentes. Agradecemos a Zilá que doou os pãezinhos.



sábado, 19 de julho de 2014

Leitura Orante - 16º Domingo do Tempo Comum - 20.07.2014

Reze a liturgia do próximo domingo (20/07) em sintonia com toda a Igreja, através da Leitura Orante.
Para acessar e baixar a Leitura Orante clique aqui!

sexta-feira, 18 de julho de 2014

SEMANA REDE NOTÍCIAS

Na quinta-feira dia 10 aconteceu a reunião do Conselho de Pastoral. Marco deste encontro foi o dia de estudo marcado para 29 de julho sobre o Documento 100 Comunidade de Comunidades: uma nova paróquia.
Sexta, dia 11, à noite, no Centro de Pastoral, aconteceu a preparação do batismo. E no sábado, dia 12, às 16h, este mesmo encontro repetiu-se. Várias pessoas participaram da formação.
Sábado, dia 12 de julho, aconteceu a Formação para os ministros da Eucaristia no Centro de Pastoral. A assessora foi a Irmã Roseli Klein e o tema com fazer a visita aos doentes.
Nesse mesmo dia  a nossa Paróquia sediou o encontro de formação de jovens. Os assessores foram o Padre Hilário Dick e o Frei Patrício Ceretta. Além dos grupos de jovens da Rede participaram jovens de Tabaí, Porto Alegre, Viamão, Alvorada e de Morungava (Gravataí)
Domingo, dia 13, esteve reunida a Equipe do Elo Comunitário. Marcamos para o dia 26 de julho, 19h,  a missa comemorativa à edição 200 do nosso jornal paroquial. Ela acontecerá na comunidade São Miguel.
Na segunda-feira, dia 14 reuniu-se, na Casa Paroquial, a equipe da coordenação cristã. Nessa reunião foi decidido que serão abertas inscrições para a catequese de adultos. Os encontros iniciarão em setembro. Maiores informações serão divulgadas via site.
Na terça-feira esteve reunida a coordenação da Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Avaliamos a festa, que foi muito bonita e participada, e conversamos sobre assuntos ligados à vida da comunidade. A comunidade agradece à todos pela colaboração.

Na quarta-feira Frei Paulo esteve na Rádio Aliança. Momento importante da partilha da palavra e dos acontecimentos da nossa Paróquia. Dia 13 de agosto ele estará novamente no Programa Nova Evangelização. Durante a tarde Frei Paulo reuniu-se com a Equipe de Assessoria da Cáritas Diocesana onde ficou acordado a abrangência do projeto de formação para as Pastorais Sociais, a iniciar em 2015.
À noite bonita missa celebrando Nossa Senhora do Carmo e a distribuição dos escapulários.
Na quinta-feira aconteceu a reunião dos padres das paróquias de Gravataí, no Centro Pastoral. O encontro iniciou às 9h e se concluiu com o almoço. No mesmo dia, à noite, o grupo dos cinco do ECC esteve reunido para encaminhar questões ligadas ao 11 encontro do ECC nos dias 29 a 31 de agosto.


quarta-feira, 16 de julho de 2014

O Tau Franciscano

tau-1024x576

Há certos sinais que revelam uma escolha de vida. O TAU, um dos mais famosos símbolos franciscanos, hoje está presente no peito das pessoas num cordão, num broche, enfeitando paredes numa escultura expressiva de madeira, num pôster ou pintura. Que escolha de vida revela o TAU? Ele é um símbolo antigo, misterioso e vital que recorda tempo e eternidade. A grande busca do humano querendo tocar sempre o divino e este vindo expressar-se na condição humana. Horizontalidade e verticalidade. As duas linhas: Céu e Terra! Temos o símbolo do TAU riscado nas cavernas do humano primitivo. Nos objetos do Faraó Achenaton no antigo Egito e na arte da civilização Maia. Francisco de Assis o atualizou e imortalizou. Não criou o TAU, mas o herdou como um símbolo seu de busca do Divino e Salvação Universal.

TAU, SINAL BÍBLICO

Existe somente um texto bíblico que menciona explicitamente o TAU, última letra do alfabeto hebraico, Ezequiel 9, 1-7: “Passa pela cidade, por Jerusalém, e marca com um TAU a fronte dos homens que gemem e choram por todas as práticas abomináveis que se cometem”. O TAU é a mais antiga grafia em forma de cruz. Na Bíblia é usado como ato de assinalar. Marcar com um sinal é muito familiar na Bíblia. Assinalar significa lacrar, fechar dentro de um segredo, uma ação. É confirmar um testemunho e comprometer aquele que possui o segredo. O TAU é selo de Deus; significa estar sob o domínio do Senhor, é a garantia de ser reconhecido por Ele e ter a sua proteção. É segurança e redenção, voltar-se para o Divino, sopro criador animando nossa vida como aspiração e inspiração.

O TAU NA IDADE MÉDIA

Vimos o significado salvífico que a letra hebraica do TAU recebe na Bíblia. Mas o TAU tem também um significado extrabíblico, bastante divulgado na Idade Média: perfeição, meta, finalidade última, santo propósito, vitória, ponto de equilíbrio entre forças contrárias. A sua linha vertical significa o superior, o espiritual, o absoluto, o celeste. A sua linha horizontal lembra a expansão da terra, o material, a carne. O TAU lembra a imagem do sustentáculo da serpente bíblica: clavada numa estaca como sinal da vitória sobre a morte. Uma vitória mística, isto é, nascer para uma vida superior perfeita e acabada. É cruz vitoriosa, perfeição, salvação, exorcismo. Um poder sobre as forças hostis, um talismã de fé, um amuleto de esperança usado por gente devota sensível.

O TAU DO PENITENTE

Francisco de Assis viveu em um ambiente no qual o TAU estava carregado de uma grande riqueza simbólica e tradicional. Assumiu para si a marca do TAU como sinal de sua conversão e da dura batalha que travou para vencer-se. Não era tão fácil para o jovem renunciar seus sonhos de cavalaria para chegar ao despojamento do Crucificado que o fascinou. Escolhe ser um cavaleiro penitente: eliminar os excessos, os vícios e viver a transparência simples das virtudes. Na sua luta interior chegou a uma vitória interior. Um homem que viveu a solidão e o desafio da comunhão fraterna; que viveu o silêncio e a canção universal das criaturas; que experimentou incompreensão e sucesso, que vestiu o hábito da penitência, que atraiu vidas, encontrou um modo de marcar as paredes de Santa Maria Madalena em Fontecolombo, de assinar cartas com este sinal. De lembrar a todos que o Senhor nos possui e nos salva sob o signo do TAU.

O TAU FRANCISCANO

O TAU franciscano atravessa oito séculos sendo usado e apreciado. É a materialização de uma intuição. Francisco de Assis é um humano que se move bem no universo dos símbolos. O que é o TAU franciscano? É Verdade, Palavra, Luz, Poder e Força da mente direcionada para um grande bem. Significa lutar e discernir o verdadeiro e o falso. É curar e vivificar. É eliminar o erro, a mentira e todo o elemento discordante que nega a paz. É unidade e reconciliação. Francisco de Assis está penetrado e iluminado, apaixonado e informado pela Palavra de Deus, a Palavra da Verdade. É um batalhador incansável da Paz, o Profeta da Harmonia e Simplicidade. É a encarnação do discernimento: pobre no material, vencedor no espiritual. Marcou-se com este sinal da luz, vida e sabedoria.

O TAU COMO IDEAL

No mês de novembro de 1215, o Papa Inocêncio III presidia um Concílio na Igreja Constantiniana de Roma. Lá estavam presentes 1.200 prelados, 412 bipos, 800 abades e priores. Entre os participantes estavam São Domingos e São Francisco. Na sessão inaugural do Concílio, no dia 11 de novembro, o Papa falou com energia, apresentou um projeto de reforma para uma Igreja ferida pela heresia, pelo clero imerso no luxo e no poder temporal. Então, o Papa Inocêncio III recordou e lançou novamente o signo do TAU de Ezequiel 9, 1-7. Queria honrar novamente a cristandade com um projeto eclesial de motivação e superação. Era preciso uma reforma de costumes. Uma vida vivida numa dimensão missionária mais vigorosa sob o dinamismo de uma contínua conversão pessoal. São Francisco saiu do Concílio disposto a aceitar a convocação papal e andou marcando os irmãos com o TAU, vibrante de cuidado, ternura e misericórdia aprendida de seu Senhor.

O TAU NAS FONTES FRANCISCANAS

Os biógrafos franciscanos nos dão testemunhos da importância que São Francisco dava ao TAU: “O Santo venerava com grande afeto este sinal”, “O sinal do TAU era preferido sobre qualquer outro sinal”, “O recomendava, freqüentemente, em suas palavras e o traçava com as próprias mãos no rodapé das breves cartas que escrevia, como se todo o seu cuidado fosse gravar o sinal do TAU, segundo o dito profético, sobre as fontes dos homens que gemem e lutam, convertidamente a Jesus”, “O traçava no início de todas as suas ações”, “Com ele selava as cartas e marcava as paredes das pequenas celas” (cf. LM 4,9; 2,9; 3Cel 3). Assim Francisco vestia-se da túnica e do TAU na total investidura de um ideal que abriu muitos caminhos.

TAU, SINAL DA CRUZ VITORIOSA

Cruz não é morte nem finitude, mas é força transformante; é radicalidade de um Amor capaz de tudo, até de morrer pelo que se ama. O TAU, conhecido como a Cruz Franciscana, lembra para nós esta deslumbrante plenitude da Beleza divina: amor e paz. O Deus da Cruz é um Deus vivo, que se entrega seguro e serenamente à mais bela oferenda de Amor. Para São Francisco, o TAU lembra a missão do Senhor: reconciliadora e configuradora, sinal de salvação e de imortalidade; o TAU é uma fonte da mística franciscana da cruz: quem mais ama, mais sofre, porque muito ama, mais salva. Um poeta dos primeiros tempos do franciscanismo conta no “Sacrum Comercium”, a entrega do sinal do TAU à Dama Pobreza pelo Senhor Ressuscitado, que o chama de “selo do reino dos céus”. À Dama Pobreza clamam os menores: “Eia, pois, Senhora, tem compaixão de nós e marca-nos com o sinal da tua graça!” (SC 21,22).

O TAU E A BÊNÇÃO

Francisco se apropriou da bênção deuteronômica, transcreveu-a com o próprio punho e deu a Frei Leão: “Que o Senhor te abençoe e te guarde. Que o Senhor mostre a tua face e se compadeça de ti. Que o Senhor volva o teu rosto para ti e te dê a paz. Irmão Leão; o Senhor te abençoe!” Sob o texto da bênção, o próprio Frei Leão fez a seguinte anotação: “São Francisco escreveu esta bênção para mim, Irmão Leão, com seu próprio punho e letra, e do mesmo modo fez a letra TAU como base”. Assim, Francisco, num profundo momento de comunicação divina, com delicadeza paternal e maternal, abençoa seu filho, irmão, amigo e confidente. Abençoar é marcar com a presença, é transmitir energias que vêm da profundidade da vida. O Senhor te abençoe!

O TAU E A CURA DOS ENFERMOS

No relato de alguns milagres, conta-se que Francisco fazia o sinal da cruz sobre a parte enferma dos doentes. Após ter recebido os estigmas no Monte Alverne, Francisco traz em seu corpo as marcas do Senhor Crucificado e Ressuscitado. Marcado pelo Senhor, imprime a marca do Senhor que salva em tudo o que faz. Conta-nos um trecho das Fontes Franciscanas que um enfermo padecia de fortes dores; invoca Francisco e o santo lhe aparece e diz que veio para responder ao seu chamado, que traz o remédio para curá-lo. Em seguida, toca-lhe no lugar da dor com um pequeno bastão arrematado com o sinal do TAU, que traz consigo. O enfermo ficou curado e permaneceu em sua pele, no lugar da dor, o sinal do TAU (cf. 3Cel159). O Senhor identifica-se com o sofrimento de seu povo. Toma a paixão do humano e do mundo sobre si. Afasta a dor e deixa o sinal de Amor.

A COR DO TAU

O TAU, freqüentemente, é reproduzido em madeira, mas quando, pintado, sempre vem com a cor vermelha. O Mestre Nicolau Verdun, num quadro do século XII, representa o Anjo Exterminador que passa enquanto um israelita marca sobre a porta de sua casa um TAU com o Sangue do Cordeiro Pascal que se derrama num cálice. O Vermelho representa o sangue do Cordeiro que se imola para salvar. Sangue do Salvador, cálice da vida! Em Fontecolombo, Francisco deixou o TAU grafado em vermelho. O TAU pintado na casula de Frei Leão no mural de Greccio também é vermelho. O pergaminho escrito para Frei Leão no Monte Alverne, marca em vermelho o Tau que assina a bênção. O Vermelho é símbolo da vida que transcende, porque se imola pelos outros. Caminho de configuração com Jesus Crucificado para nascer na manhã da Ressurreição.

O TAU NA LINGUAGEM

O TAU é a última letra do alfabeto judaico e a décima nona letra do alfabeto grego. Não está aí por acaso; um código de linguagem reflete a vivência das palavras. O mundo judaico e, conseqüentemente, a linguagem bíblica mostram a busca do transcendente. É preciso colocar o Deus da Vida como centro da história. É a nossa verticalidade, isto é, o nosso voltar-se para o Alto. O mundo grego nos ensinou a pensar e perguntar pelo sentido da vida, do humano e das coisas. Descobrir o significado de tudo é pisar melhor o chão, saber enraizar-se. É a nossa horizontalidade. A Teologia e a Filosofia são servas da fé e do pensamento. Quem sabe onde está parte para vôos mais altos. É como o galho de pessegueiro, cortado em forma de tau é usado para buscar veios d’água. Ele vibra quando a fonte aparece cheia de energia. Coloquemos o tau na fonte de nossas palavras!

O TAU, O CORDÃO E OS TRÊS NÓS

Em geral, o Tau pendurado no pescoço por um cordão com três nós. Esse cordão significa o elo que une a forma de nossa vida. O fio condutor do Evangelho. A síntese da Boa Nova são os três conselhos evangélicos=obediência, pobreza, pureza de coração. Obediência significa acolhida para escutar o valor maior. Quem abre os sentidos para perceber o maior e o melhor não tem medo de obedecer e mostra lealdade a um grande projeto. Pobreza não é categoria econômica de quem não tem, mas é valor de quem sabe colocar tudo em comum. Ser pobre, no sentido bíblico-franciscano, é a coragem da partilha. Ser puro de coração é ser transparente, casto, verdadeiro. É revelar o melhor de si. Os três nós significam que o obediente é fiel a seus princípios; o pobre vive na gratuidade da convivência; o casto cuida da beleza do seu coração e de seus afetos. Tudo isto está no Tau da existência!

USAR O TAU É LEMBRAR O SENHOR

Muita gente usa o Tau. Não é um amuleto, mas um sacramental que nos recorda um caminho de salvação que vai sendo feito ao seguir, progressivamente, o Evangelho. Usar o TAU é colocar a vida no dinamismo da conversão: Cada dia devo me abandonar na Graça do Senhor, ser um reconciliado com toda a criatura, saudar a todos com a Paz e o Bem. Usar o TAU é configurar-se com aquele que um dia ilumina as trevas do nosso coração para levar-nos à caridade perfeita. Usar o TAU é transformar a vida pela Simplicidade, pela Luz e pelo Amor. É exigência de missão e serviço aos outros, porque o próprio Senhor se fez servo até a morte e morte de Cruz.

(FONTE)

sábado, 12 de julho de 2014

Leitura Orante - 15º Domingo do Tempo Comum - 13.07.2014



Reze a liturgia do próximo domingo (13/07) em sintonia com toda a Igreja, através da Leitura Orante.
Para acessar e baixar a Leitura Orante clique aqui!

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Jesus aponta o caminho da comunidade

Saibamos compreender que precisamos lutar pela unidade de fé

comunidadePedro negou Jesus três vezes, três vezes ele havia sido levado a professar o seu amor e três vezes o Cristo ressuscitado apareceu a ele. Tudo isso aconteceu para reforçar a missão que ele deveria abraçar, pois Jesus confere a ele o cuidado supremo do rebanho. Este pastoreio deve assemelhar-se ao de Cristo, que entregou a vida pelas Suas ovelhas. Cristo escolheu Pedro para assumir Seu lugar de Pastor.

O amor é sempre uma mensagem universal que pode atingir todas as culturas, raças e ideologias, pois é a aplicação mais profunda do homem, que o capacita a tornar-se testemunha de Deus.

As comunidades cristãs, quando não assumem o projeto de Jesus, entram em crise interna e externamente não conseguem sentir a força do Espírito de Jesus, que as anima e se esforçam inutilmente na missão que procuram desenvolver. Contudo, as comunidades que procuram praticar a vontade de Deus não se importam com os sofrimentos e torturas. Pelo contrário, sentem-se felizes em poder partilhar a mesma sorte de Cristo.

Entretanto, corremos sempre o risco de perder as forças e a identidade. É aí que a certeza de que Jesus Cristo é o Senhor da história gera novas esperanças e impulsiona a ação.

O amor que Jesus exige é uma experiência nova, diferente e única. Trata-se da presença de Cristo ressuscitado, que atua por meio do serviço aos homens e ao mundo, tendo em vista a unidade.

Essa dinâmica, criada pelo Senhor para os apóstolos e para todos nós, permite entender que o amor significa seguir a Cristo, possibilitando a distinção entre o que há de autêntico e falso na vida.

Que todos nós fiéis católicos saibamos compreender que precisamos lutar pela unidade de fé e, realizando o amor, nos dediquemos à iniciativa de servir. Servir dentro da família, servir na comunidade, servir a todos na construção de um mundo melhor, sem preconceitos, mas com aceitação das dificuldades do pecador para que ele seja recuperado com caridade e decência, para viver no seguimento de Jesus.

Que Deus nos ajude nesse bom propósito!

Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora(MG)

(FONTE)

segunda-feira, 7 de julho de 2014

PERPÉTUO CELEBRA PADROEIRA

No dia 06 de julho a comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, do bairro Águas Claras, celebrou a  festa em honra a sua padroeira. Já no sábado aconteceram os vários preparativos e a carreata. No domingo, mesmo com pequena instabilidade, aconteceu a missa, seguida da procissão e depois a festa. Grande público se fez presente. A festa foi animada pela Banda Recanto da Serra que alegrou e divertiu o público até o início da noite. À comunidade os agradecimentos por este bonito momento de confraternização, como também à todos os nossos colaboradores, patrocinadores e pessoas que se dedicaram pelo êxito deste evento. Seguem algumas fotos. As demais estão no nosso facebook.


REUNIÃO DO SAV


A equipe do Serviço de Animação Vocacional esteve reunida no sábado, dia 07 de julho, na casa do seu coordenador Vicente. No momento da partilha foi destacada a boa acolhida da Oração pelas Vocações nas nossas Comunidades. Foi elaborado o cronograma de entrega do cartaz com a oração para as quatro comunidades onde este ainda não foi feito, ficando assim; 16/07 - Santa Rita; 26/07 - São Miguel; 27/07 - Imaculada e São Francisco. Sempre durante a missa da comunidade. Também foi feito o convite para a participação na Romaria Vocacional do Vicariato que acontecerá no dia 17 de agosto de 2014. Segue a foto do grupo reunido


domingo, 6 de julho de 2014

Elo Comunitário - Julho 2014

Confira a edição de julho do informativo da Paróquia Rede de Comunidades São José.
Para acessar e baixar clique aqui!

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Leitura Orante - 14º Domingo do Tempo Comum - 06.07.2014

Reze a liturgia do próximo domingo (06/07) em sintonia com toda a Igreja, através da Leitura Orante.
Para acessar e baixar a Leitura Orante clique aqui!

FESTA DA PADROEIRA



 A Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro já está em intensa preparação para a sua festa da Padroeira. Já aconteceram duas notícias do tríduo. Hoje, dia 04, dia da novena ao Sagrado Coração de Jesus, acontece a terceira noite do Tríduo. Frei Inácio Dellazari, Ministro Provincial dos Freis Franciscanos, presidirá missa às 20h.
Amanhã, sábado, às 17h30min, acontecerá a carreata. E domingo, dia 06, às 10h, procissão e missa com saída na Rua Tereza da Noronha, esquina com Marechal Rondon, próximo a Madeireira Águas Rasas.
A comunidade lembra que ainda possui convites ao preço de R$ 20,00 que podem ser adquiridos com integrantes da coordenação e/ou no dia da festa.
Agradecemos à todos que estão colaborando e se empenhando nesta festa. Que São Pedro nos dê a sua ajuda e o que faça tempo bom e que Nossa Senhora do Perpétuo Socorro abençoe à todos.