Apresentação

Apresentação

terça-feira, 14 de julho de 2015

PAPA FALA AOS JOVENS

QUEREMOS JOVENS FORTES E COM ESPERANÇA

Cerca de 200 mil jovens compareceram em massa ao último compromisso público do Papa Francisco no Paraguai, neste domingo (12), no litoral de Assunção, encerrando a nona viagem apostólica do Pontífice. Uma juventude com “a mente e o coração abertos”, “carregados de esperança no caminho” a serem mostrados para o Santo Padre, como bem nos lembrou a saudação inicial de Dom Ricardo Jorge Valenzuela Ríos, bispo de Villaricca do Espírito Santo e encarregado da Pastoral da Juventude.

Oriundos de diferentes dioceses do Paraguai, Brasil, Argentina e Uruguai, os jovens levaram “entusiasmo juvenil, com otimismo, com o espírito disposto a escutar o Papa, para aprender e seguir suas orientações”. E porque “querem ser discípulos e missionários de Cristo”, foram até Francisco na Costanera “para compartilhar sonhos e esperanças, frustrações e preocupações” porque “os jovens são conscientes”, sublinhou Dom Ricardo, de que “a Igreja também precisa de uma renovação: com mais participação dos leigos, maior apertura, mais dinamismo; uma igreja sem muitas burocracias e ‘aduanas’ que a transformem numa instituição ‘pesada’ e lenta... Querem uma comunidade eclesial vivaz, alegre, comprometida, entusiasmada para levar o Evangelho de Cristo e o testemunho de fé a uma ‘nova evangelização’ e à ‘evangelização continental’”.

E foi exatamente com o testemunho de jovens presentes no evento que Papa Francisco, mesmo com um discurso pronto, resolveu improvisar e tomá-los como exemplos na homilia. Orlando, Manuel e Liz tiveram a graça de conhecer Jesus, aquele que dá esperança, um coração livre e os torna mais fortes.

O pedido de Orlando para rezar pela liberdade de todos foi acolhida pelo Papa Francisco. Mas, segundo o Santo Padre, sendo “um dom que Deus nos dá, é preciso antes ter o coração livre”. Um coração que “possa dizer aquilo que pensa e aquilo que sente”.

"Porque todos sabemos que no mundo existem muitas cordas que nos amarram o coração e não deixam que o coração seja livre. A exploração, a falta de meios para sobreviver, a dependência da droga, a tristeza, ... Todas essas coisas nos tiram a liberdade."

E numa oração conjunta, o Santo Padre pronunciava as frases e os jovens repetiam:

"Repitam comigo: Senhor Jesus, me dá um coração livre. Que não seja escravo de todas as armadilhas do mundo. Que não seja escravo da comodidade, do engano. Que não seja escravo da ‘boa vida’. Que não seja escravo dos vícios. Que não seja escravo de uma falsa liberdade, que é fazer aquilo que eu gosto em cada momento."

O exemplo de Liz, segundo o Pontífice, com a sua própria vida em ajudar a mãe e avó doentes em casa, nos ensina a sermos ‘servos com afeto’. O testemunho da jovem nos ensina também a procurar os amigos e os grupos de jovens para “alimentar a fé” e para “dar mais força para continuar adiante”.

"E isso se chama solidariedade. Como se chama? [e os jovens respondem: ‘Solidariedade!’] Quando assumimos o problema do outro. E ela encontrou ali um ‘oásis de paz para o seu coração cansado’. […] Liz coloca em prática o quarto mandamento: ‘Honra teu pai e tua mãe’. Liz expressa a sua vida, a queima!, à serviço da sua mãe. É um grau altíssimo de solidariedade, é um grau altíssimo de amor. Um testemunho ‘Pai, então é possível amar?’. Aqui, vocês têm alguém que nos ensina a amar."
Já através do jovem Manuel, o Papa trouxe a ‘esperança’ como bem maior para “lutar pela vida e seguir adiante”. Mesmo com uma vida difícil, de exploração e solidão, ele se recusou a se esconder em desculpas e foi trabalhar.

"Quantos jovens, vocês, hoje, têm a possibilidade de estudar, de se sentar à mesa com a família todos os dias, tem a possibilidade de não faltar o essencial? Quantos de vocês têm essas coisas? Todos juntos, aqueles que têm isso, digam: ‘Obrigado, Senhor!’."

Tanto Liz como Manuel disseram ter “conhecido Jesus”, o que significa, segundo o Santo Padre, “abrir a porta da esperança”.

"Isto é, conhecer Deus, se aproximar de Jesus, é esperança e força. E isso é aquilo que precisamos encontrar nos jovens de hoje: jovens com esperança e jovens fortes. Não queremos jovens ‘desmiolados’; jovens do ‘até aqui e pronto’; nem sim, nem não. Não queremos jovens que se cansam rápido e vivem cansados, com a cara entediada. Queremos jovens fortes. Queremos jovens com esperança e fortes. Por quê? Porque conhecem Jesus, porque conhecem Deus. Porque têm um coração livre. Coração livre! Solidariedade! Trabalho! Esperança! Empenho! Conhecer Jesus! Conhecer Deus, minha fortaleza! Um jovem que vive assim tem a cara entediada? Tem o coração triste? Essa é a estrada!"

No entanto, segundo o Santo Padre, para tudo isso é necessário “sacrifício, ir contra a corrente”. E, também, acrescentou ele, “fazer barulho, ajudar a organizar o barulho que vocês fazem para não acontecer acidentes”.

"Façam barulho, mas ajudem também a administrar e organizar o barulho que fazem. Façam barulho e organizem-no bem! Um barulho que nos dê um coração livre, um barulho que nos dê solidariedade, um barulho que nos dê esperança, um barulho que nasça do ter conhecido Jesus e do saber que Deus, que eu conheci, é a minha fortaleza. Esse é o barulho que convido vocês a fazerem." 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmãos em Cristo, Paz e Bem.
Seu comentário é muito importante para nós...
Muito obrigado pela sua contribuição.
Que Deus lhe abençoe hoje e sempre!
Paróquia Rede de Comunidades São José